Crise chega aos SIG?

Aparentemente, a crise económica mundial está a ter os seus efeitos nas empresas de software SIG e CAD…

Hoje a Autodesk anunciou o despedimento de 10% da sua força laboral a nível mundial, reduzindo 750 postos de trabalho, e em simultâneo irá re-estruturar a orgânica da empresa.

Por seu lado, ontém a Intergraph também anunciou despedimentos e respectiva re-estruturação… irá despedir 5% da sua força laboral, cerca de 200 postos de trabalho.

A Google, que tem vindo a eliminar vários produtos do seu vasto portfolio, cortou agora o Dodgeball, um site que liga redes sociais à localização, através dos telemóveis (apenas nos EUA). E também anunciou que irá eliminar 100 postos de trabalho… na área de recrutamento (curioso). É uma sequência lógica ao anúncio anterior de abrandamento no recrutamento.

A ESRI (EUA) não anunciou intenções de despedir colaboradores. Mas tem surgido nas notícias de forma mais original: ao promover uma iniciativa para combater a crise nos EUA por meio da criação de um SIG Nacional, que custaria  1,2 biliões de dólares aos contribuintes norte americanos. Há um pdf a circular com a assinatura de Jack Dagermond, presidente e proprietário da ESRI, e de Anne Hale Miglarese e Booz Allen Hamilton, cuja afiliação desconheço.

Esta iniciativa, claro está, tem provocado uma polémica agradável na geo-esfera. Embora a ideia de um SIG nacional me pareça sensata em termos gerais, tenho de concordar que os números são pouco realistas: um cadastro para os EUA por 200 milhões?? O “nosso” pequenino SiNErGIC tem um custo anunciado de 450 350 milhões de Euros. Alguém fez mal as contas…

Falta agora sabermos o que se passa em Portugal. Quais os resultados para 2008 que as empresas portuguesas irão apresentar? Notar-se-ão já as dificuldades, ou ficará para as contas de 2009?

Clique para partilhar:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

2 pensamentos em “Crise chega aos SIG?

  1. Duarte,

    deixo-te as notas de um GIS Insider
    abraço
    Rodrigo
    —————-
    Lay offs at ESRI? Then why is there an office construction boom under way at ESRI HQ in Redlands? One big building just occupied last fall, another big one including an auditorium nearly complete, and a major expansion of the parking lot. Not to say that ESRI isn’t aware of the competitive and economic threats to its business, but as of now, things look under control. Sales up, profits up, recruiting like crazy, all this 23 months into the recession. The real message here is one of a financially conservative leader who didn’t cash out and become a publicly traded Wall Street whipping boy. Greedy stockholders have crushed more competitors for ESRI than any release of ArcInfo ever did (remember MapInfo?). Dangermond has been saving for this rainy day for a long time. The “Bailout”? meh, that’s just Dangermond doing what he always does: promoting GIS.

  2. Rodrigo,
    Obrigado pelo comentário!
    Esta questão está a levantar muita polémica… o que dá um grande gozo!
    Realmente o facto do JD nunca ter colocado a ESRI na bolsa sempre foi um elemento de conversa de café… e agora parece que acabou por ter razão, por mais improvável que isso parecesse há uns anos.
    A questão agora é saber se a iniciativa vai ser incluída no plano de recuperação económica dos EUA ou não… isso está a levantar muitas vozes revoltadas… http://www.spatiallyadjusted.com/2009/01/13/economic-recovery-with-gis/

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>