PostgreSQL e ESRI – parte 3

Esta é a parte 3 desta série, sobre a utilização de PostGIS com ArcGIS, que aborda a estruturação da bd PostGIS. Os artigos anteriores são:

Depois de instalar o PostgreSQL+PostGIS+ArcSDE, e configurar o formato de armazenar os nossos dados na bd, para que usemos as geometrias nativas do Pg em vez dos objectos ESRI (para compatibilidade com software Open Source), teremos de definir que utilizadores vamos criar na bd, e a forma como organizamos os dados.

Bases de Dados e Utilizadores

A organização interna do PostgreSQL é algo semelhante à do SQL Server, e bastante diferente do Oracle. Por exemplo, um servidor PostgreSQL contém várias bases de dados, ao contrário do Oracle onde uma bd corresponde a um serviço ou instância. Se quisermos mais bd’s temos de criar novas instâncias, com configuração independente, conexões, dados, utilizadores, etc.

Durante a instalação do PostGIS é instalada uma bd chamada “postgis”, e podemos usá-la para armazenar os nossos dados geográficos ou podemos criar outras bd’s ao nosso gosto…

Podemos assim guardar a informação geográfica na base de dados postgis que é criada durante a instalação do PostGIS. Ultrapassada esta decisão, temos de criar e configurar os utilizadores que vamos usar para carregar a nossa informação, evitando usar os utilizadores de sistema, criados durante a instalação, que são o “postgres” e o “sde” (utilizador criado pela instalação do ArcSDE e que serve para efectuar a sua gestão). A criação de novos utilizadores é muito recomendado e geralmente é omitido nos tutoriais e instruções de instalação…

Pessoalmente, prefiro configurações com poucos utilizadores, criando apenas 1 login para cada uso: os utilizadores do SIG usam o mesmo login para a visualização, e um outro para a gestão dos dados (criação, edição, eliminação de layers, metadados, etc.). Aplicações webgis podem partilhar também um único login para acesso aos dados. A abordagem oposta é a de criar um login por utilizador, ou usar a autenticação integrada do Windows (em que as contas de utilizador de domínio são também usadas na bd). Esta é uma decisão que se repercutirá mais tarde na manutenção e monitorização da actividade da bd. Se começarmos com a abordagem mais simples (poucos logins), podemos mais tarde introduzir o esquema de autenticação por utilizador do SIG.

Uma das razões apontada para usar o esquema de mais utilizadores, é que podemos controlar exactamente quem está ligado, ou mesmo até saber quem editou os dados numa dada altura. E esta é uma argumentação válida. Mas a abordagem mais simplista, de poucos logins, também permite algum controlo, uma vez podemos ver no servidor a listagem de conexões activas, e estas são descritas não só pelo login usado, mas também pelo nome da máquina de onde são efectuadas. Como em geral, uma máquina pertence a um utilizador, acabamos por saber que utilizador “real” está efectivamente ligado à bd.

Utilizadores e Schemas

Outra questão a considerar é a de quantos “schemas” serão criados na bd. Um schema é um agrupamento de objectos na bd ao qual se atribui um nome; o nome dos objectos apenas se podem repetir em schemas diferentes. Por exemplo, podemos ter schemas com o nome “Ambiente” com os dados desta temática, ou “Cadastro”, e por aí fora. É preciso sublinhar que podemos controlar quem tem acesso a um schema, podendo proibir o acesso a certos utilizadores, dar acesso apenas de leitura, ou por fim, dar controle completo.

Quando possível, prefiro usar o schema “public” criado de raiz durante a instalação do PgSQL, e não criar mais schemas. Esta abordagem é muito simples, e tem a vantagem de ser a mais compatível com o software que interage com o PostGIS (já aconteceu usar software que não via outros schemas além do public), além de simplificar a gestão de privilégios (o que também pode ser limitativo, caso as nossas necessidades exijam compartilhar os dados por áreas de edição).

Mas sucede que o ArcSDE necessita que todos os utilizadores que criam dados tenham o seu próprio schema. Pelo que a centralização dos dados geográficos no schema public não é possível. Temos de ter tantos schemas quantos os utilizadores que criam dados. Ou seja, se o utilizador João for alguém que tem de criar tabelas novas na bd, então terá de ter obrigatoriamente o seu próprio schema, e com o mesmo nome “João”!

A questão não é complicada se tivermos poucos criadores de dados, porque teremos de criar poucos schemas. Isto não impede que haja muitos editores, que podem editar dados de outros utilizadores e por isso não precisam de ter o seu próprio schema.

Mais info sobre schemas pode ser encontrada na documentação do PgSQL.

Criar Utilizadores

Para criar utilizadores no PostgreSQL usamos o PgAdmin (programa de administração) para criar “login roles“. Podemos também criar perfis que no PgSQL são denominados “group roles“, e que permitem gerir conjuntos de utilizadores em simultâneo, que partilham privilégios. O ArcSDE necessita que certas regras sejam seguidas na criação de utilizadores, se quisermos usar o ArcGIS para criar, editar e visualizar os dados.

Em resumo, para criar um novo utilizador que pode criar novos dados através do ArcGIS/ArcSDE, vamos:

i) criar um schema com o mesmo nome do novo utilizador; e

ii) criar um novo login na base de dados postgis, chamado por exemplo “gestorsig”. (Podemos usar o PgAdmin, mas aconselho usar a janela de sql para criar o utilizador.)

O utilizador deverá ter privilégios totais no seu próprio schema, mas também o privilégio de “usage” sobre o schema “sde”, onde são colocadas as tabelas de sistema do ArcSDE. Isto é necessário porque quando o utilizador cria uma nova tabela tem de a registar numa série de tabelas de sistema. Claro que isto é feito automaticamente pelo par ArcSDE/ArcGIS, mas se o utilizador não tiver privilégios não será possível.

Por outro lado, o utilizador “sde” precisa de ter acesso às tabelas criadas, sendo por isso necessário atribuir-lhe o privilégio “usage” sobre o schema do novo utilizador, para que seja capaz de efectuar algumas operações de manutenção (limpeza do versionamento).

E ainda um passo final – como optámos por armazenar os nossos vectores usando o tipo espacial nativo do PostGIS, o nosso utilizador necessita de acesso de escrita à tabela “public.geometry_columns”, onde se registam todas as tabelas espaciais do PostGIS. De outra forma, as nossas tabelas não seriam reconhecidas como tendo geometrias.

Concluindo, para criar um utilizador capaz de criar novas tabelas, usamos o seguinte SQL:

Update (13/06/2010): é também necessário dar pelo menos acesso (SELECT) à tabela de sistemas de coordenadas (spatial_ref_sys).

create role gestorsig login password 'PasswordDoUtilizador' noinherit createdb;
create schema gestorsig authorization gestorsig;
grant usage on schema sde to gestorsig;
grant usage on schema gestorsig to public;
grant select, insert, update, delete on table public.geometry_columns to gestorsig;
grant select on table public.spatial_ref_sys to gestorsig;

Neste código há uma pequena nuance: damos acesso ao nosso schema a todos os outros utilizadores (“…to public”), e assim não nos preocupamos se damos acesso a A ou B.

Para criar um utilizador que edita dados, mas não cria novas tabelas, o processo é quase igual. Apenas não necessita do seu próprio schema (usará o public por default):

create role editorsig login password 'PasswordDoUtilizador';
grant usage on schema sde to editorsig;
grant select, insert, update, delete on table public.geometry_columns TO editorsig;

Nota: como o nosso utilizador que cria dados (gestorsig) deu acesso a todos os utilizadores, não temos de o fazer explicitamente para novos utilizadores.

Nota 2: para podermos editar os dados criados pelo gestorsig, temos de dar privilégios de UPDATE ao nosso editor. Podemos fazê-lo usando o ArcCatalog (selecionar as Feature Classes, e com botão direito usar a opção “Privileges”), ou usando SQL.

No caso de utilizadores que só visualizam dados, o processo é igual. A diferença é que no ArcCatalog apenas damos o privilégio de SELECT sobre os objectos criados.

Deixo aqui 2 links que resumem a forma de criar novos utilizadores:

Todo este processo é muito semelhante ao que se passa com outros SGBDR’s, como Oracle ou SQL Server. Apenas muda a terminologia, e alguma da lógica de compartimentação da estrutura da bd. Para quem vem do mundo Oracle, a adaptação ao PostgreSQL é muito fácil, e para utilizadores de SQL Server não é muito diferente…

Clique para partilhar:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

2 pensamentos em “PostgreSQL e ESRI – parte 3

  1. Olá

    Descobri este blog hoje e desde já quero felicitar-vos pelo excelente trabalho.Certamente passarei a ser um visitante diário daqui…

    Queria ainda perguntar se alguém conhece um livro ou algo do género de modo a aprender a fazer query´s no Arcgis sobre um determinado ficheiro…
    Podem ajudar-me?

    obrigado
    Pedro

  2. Oi Pedro. Obrigado pela motivação.

    Quanto ao ArcGIS, sei que há 1 ou 2 livros específicos que podes procurar no Amazon, e que são mais baratos do que a formação na ESRI Portugal. Se fores estudante, tens a possibilidade de fazer a formação ESRI a preços especiais, mas para isso deves telefonar para lá. Quanto aos livros, há um mais prático, julgo que se chama GIS Tutorial. Pesquisa na net que é fácil de encontrar…
    Outra solução é procurares no site de suporte da ESRI internacional: support.esri.com. Aqui tens acesso a todo o help do ArcGIS e aos foruns de suporte.

    Bom trabalho!
    Duarte

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>