Arquivo de etiquetas: SIG

Balanço Open Source para SIG

Já há algum tempo que tenho planeado escrever sobre a integração entre Postgresql e ArcSDE, agora que a ESRI suporta esta combinação. Mas ao começar esse artigo dei por mim a reflectir sobre a utilização que faço de ambos os mundos – open e closed source…

Sou utilizador de software ESRI há muitos anos, e sou também utilizador de software Open Source em tempo igual. Curiosamente.

Sucede que comecei a trabalhar em SIG num projecto de investigação na universidade (no Instituto Superior de Agronomia, “antigo” Dept. de Eng.ª Rural), e em simultâneo iniciei o mestrado. No projecto de investigação trabalhei com Linux, aprendendo as bases deste SO que ainda hoje me servem – na altura não havia sistemas de distribuição de pacotes de software já pré-configurados… por exemplo, o sistema de email que usava tive que o compilar… outros tempos (sou tão velho “informaticamente” que a minha mulher quer oferecer-me pelo aniversário uma tshirt do ZX Spectrum). Para a tese de mestrado usei ArcInfo numa estação de trabalho IBM com o SO AIX, uma variante de Unix desenvolvido por este fabricante. Desde aí mantive o gosto por Open Source, e continuei utilizador ESRI.

Para um utilizador ESRI, a integração com software Open Source é uma questão muito pertinente, por vários motivos – anoto aqui apenas alguns. Afinal, e não o escondo, o ArcGIS é o meu software SIG favorito, mas não faz tudo o que preciso, e nem tudo o que faz é feito da melhor forma. Nada melhor do que complementá-lo com pérolas de software gratuito. Por outro lado, existem tarefas para as quais prefiro utilizar um programa mais ligeiro, como o QGIS. E claro, para tarefas relacionadas com outro software Open Source também não é o mais indicado. Por exemplo, exportar um ficheiro .map para o MapServer a partir de um mapa devidamente simbolizado. Também a interoperabilidade e capacidade de interagir com os diversos standards OGC são limitadas no ArcGIS em alguns aspectos. Por exemplo, criar ficheiros SLD (de simbologia) para uso no GeoServer. Mas para os críticos do ArcGIS não se ficarem a rir, não conheço nenhum outro programa que crie ficheiros KML tão facilmente e com tanta funcionalidade como o ArcGIS. E o KML também é um standard OGC…

A situação com o Software Aberto na área SIG (SASIG) teve uma evolução explosiva nos últimos anos. Na minha opinião, devido em grande parte à publicidade positiva que a área recebeu da Google e a Microsoft. E hoje o panorama de software no lado do servidor e no lado do desktop é extraordinário. O software Open Source não serve só como complemento, e terá todo o mérito e capacidade em ser utilizado como peça central de um SIG. Tudo depende dos objectivos, necessidades, e processos de trabalhos escolhidos.

No servidor, temos 3 players fenomenais: MapServer, GeoServer (web), e Postgresql+PostGIS (bd).

No desktop, podemos também escolher facilmente 3 campeões da causa: gvSIG, Kosmo, e Quantum GIS – embora existam muitos mais.

Na categoria de ferramentas para conversão de dados, que tanto são usadas no lado servidor como no lado desktop, temos o incontestável par GDAL/OGR para raster e vector. Outras iniciativas mais recentes que poderão ser interessantes são o FeatureServer, o Spatial Data Integrator e o GeoKettle (ambos semelhantes ao FME).

Para o desenvolvimento de aplicações web também temos óptimos produtos: OpenLayers, pmapper, MapFish, e vários outros.

Já para desenvolver aplicações desktop o cenário é muito diferente, e não será uma tarefa fácil tentar criar uma aplicação SIG baseada em componentes Open Source. Pessoalmente, a minha opção seria sempre pela facilidade de utilização, e assim optaria pelo objecto ActiveX do MapWindow GIS, ou o extraordinário SharpMap para .NET (cujo desenvolvimento tem sido extremamente lento, para grande desencanto da comunidade… o jovem Morten foi contratado pela… (suspense)… ESRI!). Estas seriam as opções mais simpáticas, com menor exigência técnica e de tempo para criar uma aplicação SIG desktop adaptada a um objectivo específico.

Para adeptos Java existem também várias opções, embora mais complexas. As opções mais proeminentes serão a GeoTools (sem mecanismo de visualização?), GISToolkit (última versão de 2003), e OpenMap (apenas visualização). O mundo Java é para mim mais desconhecido, e agradeço contribuições de quem tenha mais prática com esta tecnologia para esclarecer a situação actual face a componentes SIG.

A área continua a evoluir e é difícil manter uma noção actualizada do que vai acontecendo nos vários domínios. Têm vindo a ser publicados artigos com o diagnóstico da “situação actual”:

Faltará talvez uma página web fixa onde se possam actualizar os vários produtos, talvez num wiki? Para nós lusófonos, seria excelente manter uma página destas no wiki do OSGeo PT. Há voluntários???

Ortofotomapas do IGP no ArcGIS Online

Como é natural, durante o EUE09 foram feitos alguns anúncios sobre as próximas versões do ArcGIS e sobre a direcção que os produtos irão seguir no futuro próximo(2009-2010).

Um dos pontos frisados pela Linda Hecht, Directora de Marketing da ESRI Inc., e depois pelo Sandro Batista, Director de IDI na ESRI Portugal, foi o serviço ArcGIS Online, onde têm vindo a ser publicados alguns recursos para utilizar em ArcMap, ArcGlobe, e em aplicações ArcGIS Server. Estes recursos são projectos .mxd ou temas em formato .lyr que se podem acrescentar aos nossos próprios mapas, e que fazem ligação a dados remotos residentes nos servidores da ESRI.
A intenção da ESRI é fazer evoluir este serviço para uma plataforma mais colaborativa, integrando o site com ferramentas do próprio ArcGIS. Será interessante ver como o conjunto irá funcionar e até que ponto os utilizadores serão receptivos a esta abordagem.

Mas foi feito um outro anúncio pelo Sandro, relativo ao ArcGIS Online e que para mim caiu como uma bomba, mas no bom sentido! Os ortofotomapas do IGP, do ano 2004, e com resolução de 1m, estão publicados no ArcGIS Online na forma de .mxd e .lyr para o ArcGIS, e na forma de serviços REST para integração nas aplicações ArcGIS Server.

Ou seja, os utilizadores de ArcGIS podem abrir uma nova sessão de ArcMap e adicionar um tema com ortofotomapas para todo o País e sem custos. E isto é realmente algo significativo para todo o sector SIG e até para o sector da informação cartográfica… deixo a cada um o exercício de reflexão sobre o impacto desta iniciativa. (Estes são os mesmos ortofotomapas que foram disponibilizados via Virtual Earth.)

Na minha perspectiva, peca apenas por ser limitada aos utilizadores ESRI. Mas disponibilizar a mesma informação de forma mais abrangente caberá naturalmente ao IGP e não à ESRI, que neste momento oferece aos seus utilizadores um brinde fantástico. Aliás, se alguém da ESRI estiver a ler isto pode ser que coloquem um link logo na página principal do vosso site para informar todos os seus utilizadores desta oferta. Para se fazer justiça, obviamente que o IGP está de parabéns porque é o detentor dos dados.

Portanto, para usufruirem desta prenda de Natal atrasada, basta irem ao site arcgisonline.esri.com, e seguirem os links “Free maps” e “World User Imagery”. Nesta página podem ver os metadados da informação, bem como vários links para utilização nos produtos ArcGIS, incluindo um link de um .mxd e outro de um ficheiro .lyr.

Se gravarem o ficheiro .lyr numa partilha em rede, todos os utilizadores de ArcGIS na vossa organização poderão adicionar os ortofotomapas aos seus projectos.

Cuidado no entanto com o sistema de coordenadas, que é WGS 84. Para que os ortos se alinhem com a vossa informação é necessário definir o sistema de coordenadas da Data Frame e também a transformação de datum que querem usar. Por exemplo, se os vossos dados seguirem o sistema Hayford-Gauss, datum 73 (vulgo IGP), então definam o sistema da Data Frame para “Datum 73 Hayford Gauss IPCC”, e nas Transformações escolham transformar de WGS 84 para Datum 73, usando a transformação #4 que corresponde aos parâmetros publicados pelo IGP. Claro que o melhor será seguir as excelentes instruções do Prof. José Alberto Gonçalves que permitem reduzir os erros de conversão para uns míseros centímetros!

Google Maps lidera?

Lembro-me da surpresa que foi em 2006, quando preparava slides para uma apresentação no curso pós-graduação sobre SIG leccionado no ISA, ao ver as estimativas sobre o número de visitas que as plataformas de mapas online recebiam só nos EUA.

A grande surpresa, além claro da enormidade dos números (42 milhões de visitas por mês! num só site), foi que a MapQuest era a #1 incontestável, com mais do dobro de visitas que o n.º 2 contabilizava. E o n.º 2 era o Google Maps…

Se pensarmos no facto de ter sido o Google Maps a primeira experiência com mapas na web para a maioria dos Internautas, e se considerarmos que a MapQuest é praticamente desconhecida do público em Portugal, a surpresa ainda é maior. E parecia ainda mais impossível a diferença do n.º de visitas ser tão gigantesca… Mas era um facto irrefutável, a MapQuest era a líder dos serviços online que apresentavam mapas com rotas/percursos.

Agora, 3 anos depois, surgem números que indicam que o Google Maps superou a MapQuest no mês de Janeiro de 2009. Embora se encontrem números discordantes quanto à liderança, o que ninguém discorda é que estes 2 sistemas estão a lutar lado-a-lado pela liderança.

Interessante também é analisar os 2 gráficos apresentados pelo Web Mapper, que ilustram como a vantagem da MapQuest foi desbaratada em  apenas 12 meses: não foi só o Google Maps que conseguiu aumentar a sua quota de visitas mensais de forma significativa (30% a 70% consoante a fonte), mas a MapQuest também foi responsável pelo seu próprio desaire, perdendo 9% de visitantes no último ano.

Quais as razões para a subida da Google e descida da MapQuest?

Em relação à Google podemos dizer que é mais do mesmo – melhoria dos serviços aliada à visibilidade da marca e imagem positiva que tem junto do público. É natural que os utilizadores do motor de busca, do GMail, Google News e outros, que estando satisfeitos usem também o Google Maps. Aliás, há dados que indicam que 61% das visitas no Google Maps vieram dos links apresentados nas pesquisas do Google.

Por seu lado, a MapQuest é criticada pela agressividade dos seus serviços de publicidade, que colocam os anúncios no centro de atenção das páginas. Ou seja, são demasiado intrusivos, e os utilizadores não se têm mostrado agradados com isso… a isto soma-se a lentidão em investir na plataforma para a modernizar e aproximar das plataformas concorrentes da Google e Microsoft. Mas é discutível se haveria algo que a MapQuest pudesse fazer para combater aquilo que os recursos imensos dos seus 2 concorrentes lhes permite fazer (novas funções, dados recentes e de excelente qualidade,…).

A ver vamos o que o futuro nos reserva. Pessoalmente, gosto que haja concorrência entre os serviços que utilizo. Por isso, desejo melhores dias e mais sabedoria à MapQuest.

PS – Para quem tiver curiosidade em conhecer o percurso da MapQuest, pode ver aqui um artigo sobre a sua história – de uma empresa tradicional de mapas a líder mundial de mapas online.

Crise chega aos SIG?

Aparentemente, a crise económica mundial está a ter os seus efeitos nas empresas de software SIG e CAD…

Hoje a Autodesk anunciou o despedimento de 10% da sua força laboral a nível mundial, reduzindo 750 postos de trabalho, e em simultâneo irá re-estruturar a orgânica da empresa.

Por seu lado, ontém a Intergraph também anunciou despedimentos e respectiva re-estruturação… irá despedir 5% da sua força laboral, cerca de 200 postos de trabalho.

A Google, que tem vindo a eliminar vários produtos do seu vasto portfolio, cortou agora o Dodgeball, um site que liga redes sociais à localização, através dos telemóveis (apenas nos EUA). E também anunciou que irá eliminar 100 postos de trabalho… na área de recrutamento (curioso). É uma sequência lógica ao anúncio anterior de abrandamento no recrutamento.

A ESRI (EUA) não anunciou intenções de despedir colaboradores. Mas tem surgido nas notícias de forma mais original: ao promover uma iniciativa para combater a crise nos EUA por meio da criação de um SIG Nacional, que custaria  1,2 biliões de dólares aos contribuintes norte americanos. Há um pdf a circular com a assinatura de Jack Dagermond, presidente e proprietário da ESRI, e de Anne Hale Miglarese e Booz Allen Hamilton, cuja afiliação desconheço.

Esta iniciativa, claro está, tem provocado uma polémica agradável na geo-esfera. Embora a ideia de um SIG nacional me pareça sensata em termos gerais, tenho de concordar que os números são pouco realistas: um cadastro para os EUA por 200 milhões?? O “nosso” pequenino SiNErGIC tem um custo anunciado de 450 350 milhões de Euros. Alguém fez mal as contas…

Falta agora sabermos o que se passa em Portugal. Quais os resultados para 2008 que as empresas portuguesas irão apresentar? Notar-se-ão já as dificuldades, ou ficará para as contas de 2009?