PostgreSQL e ESRI – parte 2

Este post é o 2º sobre integrar ArcGIS e PgSQL. A 1ª parte pode ser encontrada aqui.

Este artigo continua a experiência de usar o PgSQL como base de um SIG baseado em ArcSDE/ArcGIS, debruçando-se sobre a instalação e tipo de conexões. Não é uma introdução ao PostgreSQL/PostGIS, e é assumido que o leitor tem algum conhecimento prévio ou que o irá obter noutra fonte… por exemplo aqui:

Instalação do ArcSDE+PostgreSQL+PostGIS

O instalador do ArcSDE é muito simples, e até inclui o PostgreSQL. Mas se seguirmos o wizard de instalação do ArcSDE, não será instalado o PostGIS e o ArcSDE será instalado no seu modo default, com o seu próprio tipo espacial (coluna de geometria) e o seu próprio SQL espacial. Desta forma, só se consegue aceder aos dados geográficos com software ESRI.

Para instalar o ArcSDE de forma a que os dados sejam armazenados usando o tipo espacial do PostGIS é necessário desviarmo-nos um pouco do caminho seguido pelo wizard de instalação. Quando o wizard acaba de instalar o PostgreSQL, temos de parar, e instalar o PostGIS, antes de prosseguir com o wizard do ArcSDE. Tudo é bem explicado neste artigo da ESRI:

HowTo:  Install PostgreSQL 8.3.0, ArcSDE 9.3, and PostGIS 1.3.2 on Windows

No final da instalação ficamos assim com o PostgreSQL, o PostGIS, e o componente ArcSDE.

O componente ArcSDE cria uma base de dados no PostgreSQL, chamada “sde”, e um utilizador próprio chamado “sde”. É nesta bd que ficam as tabelas de sistema do ArcSDE e a suas próprias funções, triggers, etc.

O nosso servidor PostgreSQL fica também com a estrutura habitual do PostGIS, havendo uma bd denominada “postgis”. Nesta bd também são instalados objectos do ArcSDE, como tabelas de configuração da geodatabase que mantém registo dos objectos que são criados através de software ESRI e que compõem o modelo de dados da geodatabase.

Na instalação há um problema com privilégios – a instalação do ArcSDE pára porque não consegue escrever nas directorias do PostgreSQL (“lib” e “bin”). Para resolver basta usar o explorador do Windows para adicionar o privilégio de escrita nessas pastas ao nosso utilizador (que estamos a usar ao executar o instalador do ArcSDE). Se usarmos o utilizador “Administrator” o problema não surge.

Outra nota importante é que o PostgreSQL é instalado com as definições pré-definidas. Sucede que estas definições são à prova de equipamento pré-histórico… ou seja, o PostgreSQL instalado e sem alterações funciona até num Intel 486 com 256MB de memória. Mas claro que a performance não é a desejada e deve-se editar as configurações. Noutro artigo espero discutir um pouco as opções mais comuns a alterar.

A título de curiosidade, os valores default de configuração ocupam cerca de 60MB de memória (sem iniciar o serviço SDE e sem contar com o pg_ctl.exe).

Tipo de Ligações ArcSDE

Depois da instalação são criados 2 novos serviços no Windows: o usual do PgSQL, e um próprio do ArcSDE.

O serviço do ArcSDE é o gestor de conexões do ArcSDE. Ou seja, as aplicações da ESRI ligam-se a este serviço, que depois inicia as conexões à base de dados para cada aplicação. A ESRI designa este esquema conexões como “Application Server connections” ou de 3 camadas (3-tier). Cada utilizador de ArcGIS que se liga deste modo vai criar um processo no servidor chamado “gsrvr.exe”, que optimiza a comunicação dos dados entre a bd e o ArcGIS. Cada um destes processos ocupa entre 15MB e 100MB de memória, para além da memória ocupada pelo próprioPgSQL. Se houver 10 postos ArcGIS, serão lançados 10 processos destes no servidor, ocupando 150-1000MB de memória. Isto para além dos processos que o PgSQL irá criar por si.

Nos últimos anos, a ESRI tem vindo a incentivar o uso de outro tipo de conexões – conexões directas.

Nas conexões directas não é necessário usar o serviço ArcSDE, o  ArcGIS liga-se directamente à bd. Isto é possível porque o ArcGIS passou a incluir as dll’s do ArcSDE, e assim a memória que era ocupada no servidor passa a ser consumida no PC com o ArcGIS. O inconveniente é que estas conexões ocupam um pouco mais a rede, mas teoricamente não há impacto perceptível. Com as conexões directas apenas temos de contar com os processos do próprio PgSQL.

Naturalmente, desde que a rede não esteja congestionada, é preferível usar conexões directas. No entanto, o esquema de conexões 3-níveis permite separar o ArcSDE da bd, o que possibilita a utilização de clusters, beneficiando da distribuição de carga que este tipo de sistemas oferece.

Conexões PgSQL

O PgSQL quando inicia cria um conjunto de 6 processos em memória no servidor. Em Windows, todos estes processos se chamam “postgres.exe”. Um destes processos é o processo principal do servidor que mantém a cache de dados e outras informação que persistem entre conexões. A configuração do PgSQL influenciará principalmente este processo, que tanto pode ocupar 26MB como 500MB, ou mais.

Por cada cliente que se conecta (QGIS, gvSIG, …), o PgSQL cria mais 1 processo na memória do servidor, correspondendo a essa conexão (curiosamente, no caso do ArcGIS são sempre criados 2 processos postgres.exe). Este processo ocupará memória consoante as definições do PgSQL, dependendo fortemente do tipo de operações executadas pelo cliente. Assim, uma pesquisa simples consumirá pouca memória, mas a visualização de um layer com 120.000 registos já ocupará +200MB. O caso de maior carga que encontrei foram operações de carregamento de informação em massa ocupando 500MB de memória ou mais.

Confesso que não estou habituado a esta flutuação no consumo de memória. Ao usar Oracle, temos uma certa rigidez no consumo de memória, que orbitará em redor dos parâmetros determinados pelo gestor. Se o Oracle der sinal de necessitar de mais memória, é o gestor que tem de redefinir os parâmetros permitindo que o Oracle consuma mais memória.

No caso do PgSQL, a memória ocupada é também reflexo da configuração definida pelo gestor, mas a variação da memória ocupada é muitíssimo maior. E varia por cada utilizador que se liga, e pelas operações que irá efectuar. É um dimensionamento mais difícil de manter dentro dos limites do servidor.

Suponho que é uma questão de habituação ao processo. Durante uma fase inicial de implementação será necessário monitorizar de perto a utilização de memória no servidor, e adaptar as configurações do PgSQL. Tal e qual como se passa com outros servidores SGDB. Penso ainda regressar a este assunto, continuando esta série de artigos… até breve.

Clique para partilhar:Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

3 pensamentos em “PostgreSQL e ESRI – parte 2

  1. Prezado,
    Nesta parte:
    “Na instalação há um problema com privilégios – a instalação do ArcSDE pára porque não consegue escrever nas directorias do PostgreSQL (”lib” e “bin”). Para resolver basta usar o explorador do Windows para adicionar o privilégio de escrita nessas pastas ao nosso utilizador (que estamos a usar ao executar o instalador do ArcSDE). Se usarmos o utilizador “Administrator” o problema não surge.”

    como faco para resolver este eerro, poderia dar mais detalhes, ja tentei algumas vezes e nao obtive sucesso.
    grato!

  2. Breno: se iniciar a instalação usando o utilizador Administrador o problema não sucede. Com outro utilizador, o que fiz para resolver foi, quando a instalação parou com a janela de erro, abri o explorador de ficheiros, e dei privilégios de escrita às pastas lib e bin do PgSQL, e depois usei a opção “Retry” (tentar de novo) na janela do erro de instalação. Assim a instalação continuou sem mais erros.

    Duarte

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>